Comunicados

Resposta a denúncia apresentada por um associado

Denuncia 7d0e1

A ADSP apresentou junto da DNPSP um pedido de esclarecimento após denúncia por parte de um associado que viu recusada a sua candidatura a gestor/director de segurança de um clube da I Liga, através de e-mail de resposta ao candidato, da não aceitação do seu certificado do curso de diretor de segurança ministrado na UAL por "infelizmente, os documentos apresentados não são suficientes para a posição de Diretor de Segurança. Com as novas exigências, a Liga aponta para um Curso de Diretor de Segurança, na Universidade Fernando Pessoa, que tem início no dia 20 de Novembro e fim a 6 de Março 2020, presencialmente no Porto ou com a possibilidade de videoconferência. As condições de preço são 850€, com inscrição através da Liga.".

Face ao exposto a ADSP solicitou a intervenção da DNPSP, junto da Liga, para que fosse esclarecida a situação e reposta a legalidade.

Da Liga foi obtida a seguinte resposta, que já foi transmitida ao denunciante em primero lugar e autorizada a torna-la pública.

"Pretendendo clarificar a questão que abaixo nos descreve com a devida brevidade, a Dr.a Helena Pires, pediu-me que entrasse em contacto com V. Ex.a, para lhe asseverar que não temos a menor dúvida ou divergência quanto ao enquadramento jurídico com que gentilmente nos habilita.

Isso mesmo testemunha a circunstância de, perante a exigência formativa legal que entrará em vigor no decurso da próxima época desportiva, a Liga Portugal ter consultado um conjunto de instituições de ensino superior, entre as quais as Universidades Autónoma de Lisboa e Fernando Pessoa, para a constituição de uma turma dedicada ao futebol profissional num curso de formação de diretores de segurança.

Analisadas as propostas apresentadas, a Universidade Fernando Pessoa foi selecionada para o efeito, tendo as inscrições sido processadas junto dessa instituição de ensino.

No entanto, não tendo, a Liga Portugal, qualquer vantagem direta ou indireta com a realização destes cursos – além da de assegurar aos seus associados quadros habilitados nos termos da lei – não emitimos, sequer, uma recomendação de contratação de formandos de um ou outro curso.

Assinale-se, ainda, como argumento pragmático, que há já vários anos que a Liga Portugal vem aceitando a inscrição de diretores de segurança formados no curso ministrado pela Universidade Autónoma de Lisboa constatando, aliás, que o fazem com a competência e o rigor que o excelente quadro de formadores daquele curso permitiria antecipar.

Sendo certo que as sociedades desportivas são livres de fazer a seleção dos seus quadros segundo os critérios que definam, não vislumbramos necessidade de reposição da legalidade, que não vemos minimamente beliscada. Ainda assim, caso se verifique que uma sociedades desportiva nossa associada rejeitou uma candidatura no pressuposto – que já vimos errado – de que a Liga Portugal não reconhece, ou por qualquer forma prefere, os formandos de uma instituição, solicitamos que nos seja transmitida a identidade desse associado para que possamos proceder ao respetivo esclarecimento – que também admitimos possa ser feito pelo reencaminhamento da presente comunicação, conforme V. Ex.a entenda mais conveniente."

Importa destacar a pronta e eficaz intervenção do Departamento de Segurança Privada da PSP e a rápida e esclarecedora resposta da Liga que nos merece total confiança. Este caso é um bom exemplo de colaboração e convergência na resolução de um problema que foi assim facilmente ultrapassado.

Imprimir Email

"Este website utiliza cookies. Ao continuar a navegação está a aceitar a sua utilização. Caso pretenda saber mais, consulte a nossa POLÍTICA DE PRIVACIDADE"